Voltar

Itamaraju/BA recebe apoio da Funasa para controle e qualidade da água

Itamaraju/BA recebe apoio da Funasa para controle e qualidade da água

Com a participação de diversas entidades, ações buscam minimizar impactos causados pelas fortes chuvas e inundações que afetaram extremo sul da Bahia
Por Coordenação de Comunicação

Publicação: Mon, 20 Dec 2021 16:00:27 -0300

Última modificação: Wed, 29 Dec 2021 08:34:05 -0300

Técnicos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) visitaram, na última sexta-feira, três comunidades do município de Itamaraju

Foto: Lucca Decia/Funasa

Dias após as fortes chuvas que alagaram os 30 municípios da região extremo Sul do estado da Bahia, técnicos da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) visitaram, na última sexta-feira (17/12), três comunidades do município de Itamaraju. Na ocasião, membros da Seção de Segurança e Qualidade da Água para Consumo Humano (Saqua), da Superintendência Estadual da Funasa na Bahia, realizaram a coleta e análise de água para verificar a potabilidade e a turbidez dos recursos hídricos dos distritos de Campo Alegre, Pau D'alho e Pirajá.

Em parceria com diversas entidades estaduais e federais, a fundação está prestando apoio no controle da qualidade da água de mananciais da cidade localizada a 740 km da capital, Salvador. A ação busca minimizar o impacto causado à população e dispõe de uma Unidade Móvel de Controle da Qualidade da Água (UMCQA) e duas Unidades Móveis de Tratamento de Água (UMTA) para fazer o tratamento e distribuição de água aos moradores. 

De acordo com o chefe da Saqua, Tiago Dantas, a equipe está seguindo o plano e protocolo de atuação em desastres, buscando contribuir para o fornecimento de água utilizando os equipamentos viabilizados pela instituição. "Estamos sediados em Itamaraju, onde está localizada a base de operações deste desastre, com servidores estaduais e federais. A partir daqui, estamos definindo as localidades que estão em emergência por desabastecimento de água, seja total ou temporário. Estamos em contato com os operadores de sistemas de distribuição de água para identificarmos os locais em que a água oferecida pela concessionária local não chega. Dessa forma, poderemos atender essa parcela da população também", explicou.

No dia 11/12, a Coordenação de Projetos, Pesquisas e Ações Estratégicas em Saúde Ambiental (Copae), do Departamento de Saúde Ambiental (Desam), recebeu um e-mail do Grupo de Resposta em Desastres (GRD), informando que a Suest/BA foi contactada pela Superintendência de Proteção e Defesa Civil do Estado da Bahia, para solicitar apoio na atuação ao município de Itamaraju e localidades próximas. Em seguida, servidores da Funasa em Brasília seguiram as orientações do Plano e do Protocolo de Atuação da Funasa em Situações de Desastres e deram o apoio aos demais órgãos, coordenando as atividades a serem realizadas pelo GRD instituído, por meio de Portaria, na SUEST/BA.

Na última segunda-feira (13/12), a Funasa foi convocada para compor a da Sala de Situação, juntamente com a Secretaria de Vigilância em Saúde, do Ministério da Saúde (SVS/MS), e integrar que está sendo enviada para atuar na resposta aos desastres nos municípios afetados no Estado da Bahia.

Além da Funasa e da SVS, a Defesa Civil, a Cruz Vermelha, a Secretaria de Saúde do Estado da Bahia, o Copo de Bombeiros e outras entidades estão prestando apoio aos municípios atingidos pelas chuvas. Atualmente, as entidades envolvidas estão sendo monitorados 57 municípios, sendo 41 deles em estado de emergência e outras seis que estão em processo para declarar situação de emergência. "Nesses casos de inundações, muitas regiões são afetadas e as que mais sofrem são as rurais. Então as articulações entre a nossa equipe de vigilância e a equipe da Funasa são fundamentais. Com as unidades moveis da fundação será possível levar água tratada para essas comunidades mais vulneráveis", disse a técnica da Secretaria de Vigilância em Saúde Ambiental (SVS), Gabriela Vieira.

 

Análise e tratamento de água

Para realizar o tratamento da água, a equipe da Saqua utiliza a bomba de captação da UMTA para extrair a água dos mananciais, que são direcionadas aos filtros e ao tratamento de desinfecção - utilizando cloro. Após este processo, a água será analisada na UMCQA e, caso esteja apta para consumo humano, é armazenada em até cinco tanques de 12 mil litros, totalizando 60 mil litros de água tratada para distribuição.

Dificuldades de acesso

Apesar dos esforços, a equipe da fundação está enfrentando alguns desafios para atender as localidades atingidas. Com as pontes arrastadas e estradas que cederam, os técnicos estão com a locomoção limitada, buscando rotas para se deslocarem com os materiais necessários até as comunidades. Além disso, outros impecilhos que atrapalham a atuação são as estradas alagadas e lamaçais, que tornam o caminho perigoso para os técnicos e pode danificar os equipamentos da instituição, obrigando-os a buscarem rotas alternativas para desviarem dos perígos.


Destaques